Helicóptero da FAB resgata sobreviventes de queda de avião no Mato Grosso

Por volta das 19h40 desta terça-feira (4) um helicóptero H-60 Black Hawk da Força Aérea Brasileira (FAB) localizou e resgatou com vida os dois tripulantes da aeronave matrícula PT-ICN, que decolou na manhã de sexta-feira (30) de Pimenta Bueno (RO) com destino a Santo Antônio do Leverger (MT).

Cerca de 30 militares do Esquadrão Pelicano (2º/10º GAV) estiveram envolvidos nos quatro dias de buscas. Militares do Esquadrão Pantera (5º/8º GAV) e do Esquadrão Aeroterrestre de Salvamento (PARA-SAR) também fizeram parte da tripulação  que realizou o resgate.

“Já era o quarto dia de buscas e decolamos por volta das 17h para fazer um padrão onde ainda não havíamos passado com o helicóptero. Cerca de uma hora depois da decolagem ouvimos o sinal do ELT [Emergency Locator Transmitter] e continuamos circulando na região. Logo depois, nossa tripulação avistou a aeronave e já dava pra ver o pessoal acenando pra gente, mostrando que estavam vivos”, conta o Tenente Aviador Fábio Rachildes Pinto.

“Pousamos em uma área próxima, os resgateiros desembarcaram e já fizeram a ação inicial, imobilizaram os dois nas macas e levaram para o helicóptero. Mais ou menos às 19h estávamos prontos para decolar. No pouso em Cuiabá a ambulância já estava esperando para levá-los ao hospital”, completou o militar.

Aeronave acidentada foi localizada pela FAB

A operação de busca e salvamento teve início no sábado (1) e foi coordenada pelo Salvaero Manaus, contando também com a participação da aeronave SC-105 Amazonas, que realizou mais de 40 horas de voo durante as buscas.

Os pilotos do PT-ICN estavam desaparecidos desde o dia da decolagem e foram resgatados em uma região de mata, em Cáceres, a 220 km de Cuiabá (MT).

Eles foram levados ao Aeroporto de Cuiabá, onde foram entregues aos cuidados do SAMU e levados até o Pronto-Socorro Municipal de Várzea Grande (PSMVG). Depois, foram transferidos para o Hospital Santa Rosa, unidade de saúde particular em Cuiabá.

Militares da FAB resgataram os tripulantes

Fotos: Esquadrão Pelicano

Fonte: Agencia Força Aérea

Saiba mais

S-92 liderará o mercado de helicópteros do Mar do Norte “por décadas”

A fabricante de helicópteros Sikorsky afirmou que seu S-92 continuará sendo o helicóptero líder no Mar do Norte “nas próximas décadas”.

A alegação – da vice-presidente de desenvolvimento de negócios e estratégia Nathalie Previte – pode ser justa. A aeronave é amplamente preferida por passageiros e pilotos e tem um forte histórico de confiabilidade.

Seu domínio no Mar do Norte reflete-se no fato de a região ter respondido por quase metade de todas as horas de voo do S-92 neste ano, apesar do helicóptero operar em 25 países ao redor do mundo.

A aeronave também tem uma classificação de disponibilidade de 95% e ganhou uma série de prêmios comprovando seus méritos de segurança.

No entanto, foi levantada alguma preocupação de que, apesar do recorde imaculado do S-92, ele poderia ser dominante demais no Mar do Norte, com um sindicato no mês passado afirmando que qualquer indisponibilidade inviabilizaria o setor.

As alegações vieram da Industri Energi (IE), um sindicato norueguês, no entanto, Previte foi rápida em contestá-los.

Ela disse: “É interessante que alguém diga que não há concorrência quando há obviamente um excesso de oferta no mercado de petróleo e gás.

“Não existe um risco alto de indisponibilidade, é uma probabilidade muito, muito baixa, se é que existe.

“Estamos muito confiantes e orgulhosos da confiabilidade do S-92. Houve um tempo em que a indústria de petróleo e gás estava preocupada quando outra aeronave foi retirada do offshore. Nós tivemos muitas pessoas do Mar do Norte e os sindicatos vêm nos visitar para falar sobre segurança offshore e garantir a segurança da aeronave.

“Temos visto uma tendência de aumento de horas de voo. Nossa métrica de disponibilidade está próxima de 95%, o que diz muito sobre o desempenho e a confiabilidade da aeronave.

“Há muitas indústrias que selecionaram apenas um produto e não falam sobre “e se”, elas falam sobre o que foi testado e comprovado. O S-92 está nessa categoria dos comprovados.

“Temos uma base de clientes fiéis e isso porque as missões são realizadas o tempo todo. Nossa disponibilidade é incomparável. ”

O sindicato do IE disse, do lado norueguês, que “todos os ovos estavam no mesmo cesto” com o S-92.

Isso não é necessariamente o caso no Reino Unido, com alguns operadores usando outros helicópteros como o H175 e AW189, no entanto, o S-92 é a força dominante na região.

Parte da confiança do Mar do Norte no S-92 veio da indisponibilidade dos helicópteros Super Puma após um acidente fatal na Noruega em 2016.

Treze pessoas foram mortas no incidente na ilha de Turoy, incluindo Iain Stuart, de Laurencekirk, em Aberdeenshire.

Apesar da indisponibilidade mundial de Super Pumas ter sido suspensa, a aeronave não retornou ao serviço no Mar do Norte, com os sindicatos se opondo firmemente a serem usados ​​novamente.

Em vista disso, talvez não seja surpreendente que o S-92 tenha se tornado o helicóptero escolhido. No entanto, apesar de seu histórico sólido, a aeronave não ficou sem seus próprios problemas.

O S-92 chegou às manchetes pelas razões erradas em 2016, quando um helicóptero girou na plataforma West Franklin no Mar do Norte.

No incidente, o S-92 girou mais de 180 graus no deck da plataforma, mas ninguém ficou ferido.

O Air Accidents Investigation Branch descobriu mais tarde que se a falha tivesse acontecido antes, o helicóptero poderia ter caído no mar.

Investigadores descobriram depois que houve uma falha no rolamento do rotor de cauda que os engenheiros não haviam identificado.

A Sikorsky tomou uma série de medidas para melhorar a segurança desde então, incluindo a introdução dos Sistemas de Monitoramento de Saúde e Uso (HUMS) em tempo real para rastrear a saúde da aeronave.

O sistema HUMS está conectado a S-92s em todo o mundo, incluindo o Mar do Norte, que a Sikorsky disse que permite prever eventos, analisando dados de toda a frota em tempo real.

Os dados são avaliados pelos engenheiros da Sikorsky em um centro de atendimento ao cliente 24 horas.

Previte acrescentou: “Hoje, com a adição de um sensor HUMS e através dos vários esforços que lançamos aos nossos operadores, estamos confiantes de que a situação do rolamento do eixo do S-92 está atenuada.

“Nos últimos três anos, investimos dezenas de milhões de dólares em análise de dados. Nosso sistema analisa os dados de toda a nossa frota e a segurança melhorou muito.

“Quando isso aconteceu, nos comunicamos com todos os nossos clientes para garantir que eles estivessem monitorando os componentes da maneira certa. Estamos muito, muito confiantes no S-92 ”.

A frota S-92 da Sikorsky já realizou milhares de horas de voo este ano, com quase 16.000 em março.

Desse total, o setor de energia respondeu por quase 14 mil horas e a Sikorsky está projetando que este ano superará as 170 mil horas totais voadas em 2017.

Previte acredita que o S-92 vai manter o seu domínio no Mar do Norte, mas não vai ficar de braços cruzados.

Ela acrescenta que o S-92 original não é o mesmo modelo de hoje, e outros desenvolvimentos estão a caminho enquanto a tecnologia avança.

Ela disse: “O S-92 é o padrão líder da indústria e permanecerá por muitas décadas. Eu diria também que o S-92 hoje não é o mesmo que foi lançado em 2004. Estamos sempre olhando para o aprimoramento do produto.

“Temos tecnologia em desenvolvimento em teatros de inovação que podem ser inseridos no S-92 e garantirão valor aos nossos clientes e às pessoas que viajam no helicóptero. ”

Saiba mais

Black Hawk participa de plano básico de Zona de Proteção de Aeródromo em aldeias indígenas

Militares do Instituto de Cartografia Aeronáutica (ICA), localizado no Rio de Janeiro (RJ), visitaram, no período de 27 de junho a 6 de julho, as aldeias indígenas de Bona e Pedra da Onça, no estado do Pará, localizadas a 700 km de Belém. O objetivo foi a elaboração do Plano Básico de Zona de Proteção de Aeródromo (PBZPA), que é um levantamento de superfícies de proteção pré-estabelecidas para proteger o entorno de um aeródromo. O PBZPA impõe limites à presença de edificações e objetos que venham a representar perigo ou risco às operações aéreas. Neste levantamento são levados em consideração a área de aproximação, a área de decolagem e a rampa de transição. “Nosso trabalho é fazer o levantamento dos elementos que serão usados para analisar a zona de proteção, a determinação da coordenada do local através de rastreamento de satélite, determinação dos pontos mais altos no entorno da pista, árvores, edificações e morros”, explicou o Sargento Renato Ignácio Figueiredo, responsável pela medição de aproximadamente 300 pontos em cada aldeia.
O levantamento é feito com uma estação total, equipamento que mede distâncias e ângulos e faz o processamento dos dados para visualização da altitude e coordenadas dos pontos – árvores, edificações e morros. Em seguida, é feito um cálculo mais elaborado com o cruzamento de informações com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (ponto de posicionamento preciso) para captar com exatidão as coordenadas apresentadas. As aldeias estão localizadas em região sem estrada, no meio da selva, cujo acesso só é possível por meio de aviões de pequeno porte ou helicópteros. Esses lugares recebem apoio logístico das Forças Armadas e, em especial, da Força Aérea Brasileira (FAB). Muitas missões são realizadas para atendimento tanto da população indígena quanto ribeirinha, principalmente, para assistência médica.
“Poder apoiar estas pessoas, que não têm estrutura, nos deixa muito satisfeitos com nossa função e orgulhosos de pertencer a Força Aérea”, destacou o Sargento Figueiredo. A missão contou com o suporte do Esquadrão Harpia (7º/8º GAV) e do Pelotão de Fronteira do Exército Brasileiro de Tiriós.  A segunda fase, prevista para agosto, será em outras três aldeias indígenas no estado de Roraima: Paraná, Salvador e Área Única. De acordo com o Diretor-Geral do Departamento de Controle do Espaço Aéreo (DECEA), Tenente-Brigadeiro do Ar Jeferson Domingues de Freitas, após as análises técnicas, as cinco aldeias vão ter a possibilidade de possuir o PBZPA. “Toda ação está alinhada com a legislação em vigor e prevê integralmente o cumprimento da Portaria 957 publicada em 2015 pelo Comando da Aeronáutica que dispõe sobre as restrições aos objetos projetados no espaço aéreo que possam afetar adversamente a segurança ou a regularidade das operações aéreas”, ressaltou.
Fotos: Suboficial Ronaldo / ICA
Saiba mais

FROTA S-76D™ DO SERVIÇO DE AVIAÇÃO TAILANDESA ALCANÇA 10.000 HORAS DE VOO

A Sikorsky, uma empresa da Lockheed Martin, anunciou hoje que a Thai Aviation Services acumulou 10.000 horas de voo em sua frota S-76D™ em um tempo recorde de menos de dois anos.

Este marco foi alcançado apenas alguns meses depois que a TAS começou a operar como o primeiro Centro de Suporte ao Cliente da Sikorsky na Tailândia.

“Valorizamos genuinamente a confiança que a Thai Aviation Services demonstrou nos produtos Sikorsky nas últimas três décadas”, disse Audrey Brady, vice-presidente de Sistemas e Serviços Comerciais da Sikorsky. “A Sikorsky está extremamente orgulhosa em fornecer à TAS aeronaves seguras e confiáveis ​​para suportar um ritmo operacional tão alto com disponibilidade de primeira linha. ”

A TAS opera um total de oito helicópteros Sikorsky, incluindo cinco helicópteros de médio porte S-76D, dois helicópteros pesados ​​S-92® e um helicóptero S-76C ++ ™. A TAS conduz suas operações offshore para empresas de produção de petróleo e gás há 30 anos, utilizando exclusivamente helicópteros Sikorsky.

Desde 1977, a Sikorsky fornece mais de 875 helicópteros S-76® para clientes em todo o mundo. A missão de transporte marítimo de petróleo representa 65% das mais de 7,25 milhões de horas voadas por toda a frota da Sikorsky S-76. A linha S-76 de helicópteros também é conhecida por sua alta confiabilidade, com transporte VIP e serviços de utilidade pública, operações de busca e salvamento e transporte de ambulância aérea por helicóptero.

A TAS também está prevendo que o vôo de seu 100.000º passageiro de S-76D ocorrerá no final deste outono.

Saiba mais

Enstrom 480B-Gs aceito na República Checa para treinamento

O primeiro de seis Enstrom 480B-Gs foi entregue a LOM PRAHA para uso em seu Centro de Treinamento de Voo (CLV) na base militar em Pardubice, República Tcheca, em 21 de junho. As vendas das aeronaves foram coordenadas pelo DSA, representantes Enstrom na República Tcheca. Haverá um total de seis 480B-Gs registrados, quatro militares e dois civis, todos equipados com o glass cockpit Garmin G1000H. Os Enstroms estão substituindo a aeronave Mi-2 que a CLV vinha usando para treinar pilotos da Força Aérea Tcheca desde 2004. Anteriormente Miroslav Hejna, CEO da LOM PRAHA TRADE, a subsidiária da empresa estatal LOM PRAHA, disse: “Acreditamos que a aeronave e a equipe Enstrom são a melhor escolha para o longo prazo.” Enquanto o CLV continua a expandir suas operações, o Enstrom 480B-Gs é sua primeira aeronave americana.

A cerimónia oficial da “Rotação das Guardas” contou com a presença da ex-ministra da Defesa, Karla Slechtova, juntamente com outros altos funcionários militares. O airshow destacou a saída do Mi-2 e as capacidades do 480B-G para o ex-ministro Slechtova, e foram oferecidas demonstrações VIP. Dennis Martin, diretor de vendas e marketing da Enstrom Helicopter, que também esteve presente, disse: “Esta é uma nova direção para a LOM PRAHA e para a Força Aérea Tcheca. Estamos orgulhosos de nos juntar à equipe deles. ”

Saiba mais